quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Factos

Talvez escreva poesia como forma de me expressar,
á um facto na minha vida que é não conseguir deixar de me expressar melhor no papel,
do que na fala,
a musica e o papel, são o meu refugio,
fico melhor sozinha, que acompanhada
mas isso é um facto que ninguém pode negar.
Ou pode?
Pois, não sei.
Como dizia o tal homem, cujo nome não me lembro.
"Só sei, que nada sei..."
Pois sim, e eu se não ariscar nunca saberei...

Diana Silva

Incertezas

È verdade que quanto mais alto subirmos
maior é a queda
que quanto mais depressa formos
maior é o despiste.
Mas e o amor?
Vem demasiado depressa, e apanhanos de surpresa
Tem o pêndulo bem suspenso e assim que se corta, cai e parte-se?
Não altera nada.
Uma vida cheia de sofrimentos e desilosões.
Posso ser desiludida assim como desiludir
Mas será errado perdoar novamente?
Não penso.
Ouvi sempre dizer para não fazeres aos outros o que não queres que te façam a ti
agor pergunto-me se o que fiz foi assim tão mau?
não falar para magoar e depois disso magoar ainda mais.
prefiro morrer, a sofrer desgosto de amor.
Sinto-me em parte culpada isso não posso negar.
Outras vezes penso, será errado deizar de amar?

Diana Silva

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Criatura da noite

A minha alma foi punida de dentro do meu corpo
O meu coração deu o último pulsar
Recordo-me da escuridão da noite
E o brilho do luar.
O dia para mim desapareceu.
Sou agora uma criatura da noite.
Temida por pessoas e animais.
Não é o vento que me para
Nem os obstáculos temo
Temo sim o amanheçer
Que me queima e rasga a pele
Que me seca a garganta e os olhos
Que me faz arder todas as células do corpo.
Por enquanto sobrevivo na escuridão
E alimento-me das veias quentes
Não sou animal nem humana
Não sou um ser vivo
Sou algo com que tu não vais querer Cruzar
Sou aquele que sem medo ou piedade te pode matar.

Diana Silva

Palavras

È necessário que a alma chora
que o coração ame
que a cabeça pense
Mas para ambos aconteçerem
muitos antes existe o sofrimento
Se pudesse contava todas as estrelas do universo
e trazia-te a mais bela e brilhante
Por ti trazia a lua
Dou-te um beijo que ainda não entreguei a ninguém
E desejo-te a melhor vida que não te dei.
Amo-te não chega 
nem as ações também
Não encontro outra maneira para te dizer
que para sempre te amarei...

Diana Silva

Porque Será?

As desculpas não se pedem evitam-se...
Mas porque será que se têm de evitar?
Para que não sofra-mos mais da mesma maneira?
Para fugirmos e refugiarmo-nos das nossas guerras?
Porque será?
A desculpa é o arrependimento, é o pedido implorável por outra opurtunidade.
O que aconteçe quando não a  damos?
Perdemos um amigo... um pai... um irmão... uma vida nas nossas vidas.
Corta-se o fio da marioneta, mas sem que ela fique livre, ficando presa no fio do passado e presente.
E pergunto novamente.
Porque será?
Será o orgulho demasiado para o engulir?
Ou será o Ego maior que o diametro do mundo?
Pela terceira e última vez me questiono.
Porque Será?

Diana Silva

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

O que será?

O que será que nos leva a pensar na vida?
O que será que nos faz acreditar na vida depois da morte?
O que será que faz o nosso instinto de sobrevivênçia ser mais forte?
O que será que nos faz sofrer ainda mais sobre o sofrimento?
Tantas questões para as quais tenho de encontrar resposta
terei de levar quantas vezes com uma facada nas costas?
Sabes que mais não importa, nunca irei saber.
A não ser que morra agora.
Mas se assim for, que seja indolor e sem demora.

Diana Silva

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Sentidos

Se o céu chora
O corpo entra en harmonia
Se o vento foge
O sopro cala a morte
Se o sol queima
Leva-me a alma desfeita
Se a terra engole
Irei arrastar o meu coração 
Até ao meu túmulo
Se eu perder o meu sentido de vida
O que será de mim?
Aguardo o momento
Em que morrerei
Sem eles e sem ti.

Diana Silva