quarta-feira, 13 de julho de 2011

Como começou.

Tudo começou no dia em que nos graduávamos para outro nível escolar, sairíamos do básico para explorarmos o secundário no ano que viria. Aperaltámo-nos e vestimo-nos a rigor para passar o ultimo dia de nono ano e sem sabermos o ultimo dia em que podíamos ser mais normais apesar de já antes sabermos que não o éramos, mas ainda podíamos ser um pouco criancinhas, ainda tínhamos essa oportunidade.
Agora posso dizer que é tarde demais, foi tudo desde que te conhecemos. Pela minha parte não me arrependo pois muito antes perguntava-me se seria sempre a mesma criancinha parada no tempo sem sequer avançar um pouco por muito pouco que fosse, e desde que nos juntámos que tive oportunidade de conhecer muito e presenciar estreias na minha vida. Quem é que nos garante que o mundo é como nós o conhecemos? Ninguém o garante, e mais tarde… não passam de memorias indistintas e demasiado desfocadas para que sejam vistas por velhos olhos cansados e revistos com um cérebro sabido e antigo… e volto a dizer, a repetir o que toda a gente sabe… tudo começou naquele dia. Já estávamos reunidos ao pôr-do-sol e ainda me lembro de quando sem querer te dei uma chapada e tu tiveste que te afastar para não fazeres algo que não desejasses, não que não fosse merecido.
Mais tarde tiveste que te ir embora do baile de finalistas mas não conseguis-te ir-te embora dos nossos corações com a mesma facilidade que sais-te por aqueles portões…não ainda te encontras connosco e a cada dia que passa os nossos laços fortificam-se ainda mais. Felizmente que assim o é. Lembro-me de uma das minhas melhores amigas, minha irmã apesar de não ser de sangue me dizer uma verdade pura e dura mas compreensível << Juntos ninguém nos bate, amparamo-nos uns aos outros, mas afastados… afastados morremos incapacitados>> e eu concordo com ela, pois se me retirassem, a visão, a olfacto, a audição, tudo isso me afectaria e o mais provável era morrer num precipício e nem dar por isso… simplesmente morrer…
Não temo muito a morte, para mim é apenas a etapa final numa vida, para depois renascermos novamente e continuar neste ciclo vicioso de sofrimento.
Depois temos outro momento na minha vida em que tudo se alterou, foi rápido mas não teve nada de simples… afinal todas as pessoas acabam por encontrar o amor não é verdade? Pois bem encontrei-o demasiado cedo.
Mas o que se pode fazer… Deixaram-nos na terra sem qualquer tipo de explicação, sem qualquer tipo de atenção em acontecimentos exteriores á nossa mente e tudo isso porquê?
Quem me dera que o ser humano não tivesse nascido ignorante….

                                                                                                                      Diana Silva….
                                                                                                                                .Uma explicação.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixa-me saber o que pensas. :D